DELEGAÇÃO DA CRUZ VERMELHA

A Delegação da Cruz Vermelha Portuguesa, foi fundada no nosso país a 4 de Maio de 1887.

No concelho de Vila Nova de Cerveira conforme se poderá analisar seguidamente a Delegação da Cruz Vermelha nasce graças a um funcionário dos Caminhos-de-Ferro (José Augusto Alves), natural do Rio Tinto, que ao prestar o seu serviço para esta vila se apaixona pela sua beleza, como fosse sócio fundador e vogal da Direcção da Delegação da Cruz Vermelha da sua terra, ganha coragem e levanta mãos à obra, começando por reunir um grupo de homens entusiastas da nossa vila. Assim apoiado por essa valiosa gente da nossa terra, é fundada uma delegação da Cruz Vermelha à qual veio prestando generosos serviços aos habitantes do nosso concelho.

Nesta mesma delegação, é criado um corpo de Bombeiros, o primeiro no nosso concelho, do qual muito bem a beneficiar toda a sua população, uma vez que nada havia no concelho relacionado com a extinção de incêndios.

Foi graças a um grupo de gente boa que, com os seus donativos, contribuíram para uma peça fundamental “A bomba braçal” .

O Bombeiro Dante Roleira, já falecido, contou uma peripécia em que com a formação da Associação Regional, é extinta a Delegação da Cruz Vermelha em Cerveira. Constava-se então, que em determinado dia vinha pessoal de Viana da Cruz Vermelha, buscar o material, da delegação de Cerveira, incluindo a tão falada “bomba braçal”.

Assim, junta-se um grupo de jovens Cerveirenses, ligado ao corpo de Bombeiros e combinaram o seguinte: um deles ia para a torre da igreja Matriz, o outro para junto de uma meda de palha, e previamente combinado com o seu dono. O primeiro ao avistar os Vianenses que vinham buscar o material, dava uma assobiadela e o segundo pegava fogo à meda de palha, os restantes vinham ao quartel e pegando na “Bomba Braçal” corriam com ela para o local do incêndio.

Conclusão: esta artimanha foi a forma de juntar o povo Cerveirense acudindo ao incêndio que devorava a palha e assim, quando os de Viana se preparavam para levar a Bomba foram corridos, sendo-lhes dito: “Podeis ir embora, mas a Bomba de Cerveira nunca sairá, pois faz-nos muita falta”.

E assim foi a forma da referida Bomba ainda hoje cá existir.

INAUGURAÇÃO E BREVE HISTORIAL

Após a transcrição da acta da Assembleia-Geral relativa à sessão inaugural da Benemérita e Humanitária Associação Regional de Vila Nova de Cerveira.

Em sessão da comissão administrativa da Câmara Municipal desta Vila, presidida em 21-09-1927 pelo Sr. António de Portugal Marreca, no livro do qual consta o seguinte “Cedeu à Associação dos Bombeiros Voluntários a casa pertencente a esta Câmara sita à Praça da Liberdade e onde se achava o Posto da Guarda Nacional Republicana”.      

Este quartel situa-se entre o actual Largo do Terreiro e a Rua Queiroz Ribeiro, nele começou a funcionar a delegação da Cruz Vermelha desta Vila. Com a extinção da delegação da Cruz Vermelha é criada a Associação Regional de Cerveira que também funcionou no mesmo prédio embora poucos tenham sido os seus anos de vida.

Assim nasce a Associação Humanitária dos Bombeiros de Vila Nova de Cerveira que também passa a ter o seu quartel sede no antes referido edifício. No que respeita a espaço as condições deste quartel satisfaziam plenamente, uma vez que havia poucos Bombeiros, material e viatura.

No decorrer do Ano 1974 efectuou-se a passagem de viaturas e material para o novo quartel, localizado na Rua 25 de Abril desta Vila. Quartel, este, que veio oferecer aos Bombeiros deste Concelho, condições dignas para o desempenho das suas funções.

Assim passam a ter um parque de viaturas, com óptimas condições, bem como um Cineteatro, bar, instalações administrativas, sala de reuniões balneários entre outros compartimentos fundamentais do Corpo de Bombeiros.

BREVE HISTORIAL RELATIVO AOS EDIFÍCIOS ONDE FUNCIONARAM

OS CORPOS DE BOMBEIROS DESTA VILA

 Relativamente ao primeiro Corpo de Bombeiros desta vila, fundado em 1915, o qual foi criado através da Delegação da Cruz Vermelha, teve o seu quartel sito no Largo do Terreiro, fazendo esquina com a Rua Queirós Ribeiro.

Com o decorrer dos anos e, por tal se tornar um tanto ou quanto desnecessária é extinta, por volta do ano de 1927 e, assim, um grupo de cerveirenses cria a Associação Regional de Cerveira, cujo quartel passa a funcionar no mesmo edifício da Delegação da Cruz Vermelha.

A Associação Regional que antes referimos, por motivos que se desconhecem, teve poucos anos de vida.

Em sessão da comissão administrativa da Câmara Municipal desta Vila, presidida em 21-09-1927 pelo Sr. António de Portugal Marreca, no qual consta o seguinte “Cedeu à Associação dos Bombeiros Voluntários a casa pertencente a esta Câmara sita à Praça da Liberdade e onde se achava o Posto da Guarda Nacional Republicana”.     

Assim nasce a Associação Humanitária dos Bombeiros de Vila Nova de Cerveira que também passa a ter o seu quartel sede no antes referido edifício.

No que respeita a espaço as condições deste quartel satisfaziam plenamente, uma vez que havia poucos Bombeiros, material e viaturas.

No decorrer do Ano 1974 efectuou-se a passagem de viaturas e material para o novo quartel, localizado na Rua 25 de Abril desta Vila. Quartel este que veio oferecer aos Bombeiros deste Concelho, condições dignas para o desempenho das suas funções.

Assim passam a ter um parque de viaturas, com óptimas condições, bem como um Cine-teatro, bar, instalações administrativas, sala de reuniões balneários entre outros compartimentos fundamentais ao bom funcionamento do Corpo de Bombeiros.

Em 1 de Outubro de 2009, foi inaugurado o actual Quartel dos Bombeiros Voluntários de Vila Nova de Cerveira, por sua Excelência o Ministro da Administração Interna, Dr. Rui Carlos Pereira, sendo:

Presidente da Câmara de Vila Nova de Cerveira: José Manuel Vaz Carpinteira.

Presidente da Direcção: Fernando Monteiro Matias.

Comandante: Rui Alberto Rodrigues da Cruz.

PRESIDENTES DA DIRECÇÃO PASSADOS PELA ASSOCIAÇÃO

Padre José da Costa Parente (28-04-1935 / 19-12-1943).

João Augusto Morais da Fonte (19-12-1943 / 22-01-1945).

Dr. Inocêncio Barbosa (22-01-1945 / 14-12-1947).

 Guilherme Augusto Romeu (14-12-1947 / 20-12-1950).

Carlos Seixas Ferreira (20-12-1950 / 18-06-1957).

Inocêncio João Pereira Leite (18-06-1957 / 13-03-1959).

Jaime Ernestino Leite Romeu (13-03-1959 / 09-08-1971).

Capitão José Gonçalves (09-08-1971 / 28-12-1979).

José Augusto costa Martins (28-12-1979 / 30-12-1988).

José António Marques Martins (30-12-1988 / 30-12-1994).

Augusto Lemos de Melo (30-12-1994 / 19-12-1997).

António Adelino Barros Gonçalves (19-12-1997 / 16-12-2000).

Rui Alberto Rodrigues da Cruz (16-12-2000 / 31-12-2006).

Fernando Monteiro Matias (31-12-2007 / 01-01-2010).

Dr. Fernando José Rodrigues Pires Venade (01-01-2010 / ------------).

 

COMANDANTES PASSADOS PELA ASSOCIAÇÃO

António Domingos (03-02-1935 / 22-01-1945).                                                                                                        

Mário J. Teles de Menezes e Melo (22-01-1945 / 14-12-1947).                                                                              

Júlio Alberto Pacheco (14-12-1947 / 09-02-1955).                                                                                                    

António Augusto Martins (09-02-1955 / 16-03-1960).                                                                                                

Rodolfo Rebelo Torres (16-03-1960 / 31-10-1973).                                                                                                  

David Bacelo Sanches (31-10-1973 / 12-06-1974).                                                                                                  

José Maria Rebelo (12-06-1974 / 27-11-1974).                                                                                                       

Amaro António Rodrigues Moura (27-11-1974 / 29-09-1974).                                                                                

José António Marques Martins (29-09-1979 / 30-07-1987)                                                                                      

Severino Azevedo Pinto (30-07-1987 / 22-07-1988)                                                                                                

Amaro António Ribeiro de Moura (22-07-1988 / 28-10-1989)                                                                                  

Orlando José Gonçalves Pinto (20-10-1989 / 19-01-2004)                                                                                       

Rui Alberto Rodrigues Cruz ( 19-01-2004 / 19-03-2013)                                                                                           

António Duarte da Cunha Machado (26/01/2014 / ...............)                                                                                       

 


Brasão dos Bombeiros Voluntários O BRASÃO

A Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Vila Nova de Cerveira ostenta como símbolo heráldico representativo, da mesma o seguinte brasão:

Fogueira, sobre a qual arde uma Fénix em cor dourada, tendo apostas as armas representativas do concelho. Na sua parte inferior tem um listel branco com o dizer «vida por vida».